terça-feira, 22 de abril de 2014

Autores de latrocínio em Salinas são identificados

A Polícia Civil já identificou os dois autores de um latrocínio (roubo seguido de morte) que teve como vítimas duas pessoas, em uma casa no município de Salinópolis, litoral nordeste do Pará, na noite deste domingo (20). As vítimas foram mortas a tiros. Um dos acusados é um adolescente de 17 anos, apontado como autor dos disparos. O outro foi identificado como Luís Romário Rodrigues de Sousa, 20 anos. 

A equipe da delegacia da região, juntamente com policiais civis enviados ao município para reforçar a segurança durante o feriado da Semana Santa, além de policiais do Grupo de Pronto-Emprego (GPE) da Superintendência Regional da Zona Bragantina e militares da Rotam, com apoio do helicóptero do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp), passaram a efetuar as buscas aos criminosos na cidade logo após o crime. 

De acordo com os policiais, Luís Romário responde a quatro processos criminais por roubos e porte ilegal de arma de fogo. O adolescente já responde a dois processos criminais também por roubo, em Salinópolis. Conforme o delegado João Bosco Rodrigues, diretor de Polícia do Interior, os dois autores do crime invadiram a casa de praia, localizada na travessa Iracema, centro da cidade e renderam o casal armados com facas.

Os criminosos entraram na casa por volta das 20h do domingo, após pular um muro nos fundos do imóvel. Já dentro da residência, os dois se separaram. Um deles foi para a sala, onde rendeu o corretor de seguros Jeneves Barros Anunciação, que foi mantido refém junto com outros dois familiares das vítimas, uma filha do casal e o namorado dela. O outro criminoso foi em direção de outro compartimento da casa, onde rendeu a dona do imóvel, a comerciante Sandra Sauma Gontijo, 56 anos, que ao perceber o assalto, reagiu com uma arma de fogo e fez disparos em direção ao bandido.

Os tiros não teriam atingido o bandido e armado com uma faca, conseguiu dominar a vítima e tomar dela a arma. Após agredi-la com a faca, ele fez um disparo contra a comerciante. Com os gritos de socorro da vítima, o companheiro dela reagiu e tentou tirar a faca das mãos do outro assaltante, mas acabou sendo baleado pelo comparsa. Depois dos disparos, os bandidos saíram em fuga do local, levando a arma de fogo da vítima. Jeneves morreu na hora. A comerciante ainda chegou a ser socorrida e levada ao Hospital Municipal de Salinópolis, mas não resistiu. Os corpos foram removidos por peritos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. A casa passou por perícia.

O delegado Evandro Araújo, titular da Delegacia de Salinópolis, informou que uma advogada entrou em contato com a unidade policial, garantindo que iria fazer a apresentação dos acusados. Enquanto os dois não se entregavam, as buscas pelos autores do latrocínio prosseguiam na área conhecida como "invasão do Bode", localizada nas proximidades da praia do Maçarico. O inquérito policial foi instaurado para apurar os fatos. Segundo o delegado, o caso está configurado como latrocínio, pois os criminosos tinham a intenção de roubar objetos de valor da casa.

(DOL com informações da Polícia Civil)

Fim de semana sangrento em Castanhal com 2 assassinatos

Durante o final de semana, na cidade de Castanhal, nordeste do Estado, duas pessoas foram assassinadas e outras duas foram vítimas de tentativa de homicídio. As pessoas que sobreviveram aos atentados foram transferidas para o Hospital Metropolitano, em Ananindeua, para receberem atendimento médico. As que faleceram foram sepultadas em cemitérios da Cidade. Segundo a polícia, os crimes teriam sido motivados por vingança. Os criminosos estão foragidos. 

A primeira vítima da violência foi um homem de 28 anos, morto na madrugada da Sexta-Feira Santa com um tiro no pescoço. O crime foi descoberto somente no dia seguinte. Passava pouco mais das 7h30 de sábado (19), quando a guarnição do soldado PM Santana foi informada de que populares haviam encontrado um corpo em um terreno abandonado no bairro Jaderlândia. A equipe policial se deslocou ao endereço citado e constatou a veracidade da informação ao se deparar com um cadáver jogado ao meio do mato. 

A vítima identificada pelo nome de Júlio Cezar da Conceição Viana estava com o peito virado para cima e com a boca cheia de moscas.

Ainda são poucas as informações de como Júlio Cesar teria sido morto. Moradores das proximidades contaram à polícia que pela madrugada de sexta-feira ouviram disparos de arma de fogo e gritos de socorro em via pública. A polícia acredita que após receber o tiro no pescoço, mesmo agonizando, Júlio Cezar teria conseguido pular um muro de aproximadamente dois metros de altura para se esconder dos assassinos, que seriam dois e usavam uma motocicleta. Sem receber qualquer tipo de atendimento no local, a vítima sangrou até a morte. 

Júlio Cesar da Conceição Viana possuía várias tatuagens pelo corpo, assim como várias passagens pela polícia.

DOIS ATENTADOS A TIROS E UM HOMEM MORTO A FACADAS

O segundo assassinato registrado durante o final de semana, em Castanhal, ocorreu por volta das 03h da madrugada de domingo (20). Diego Favacho Aleixo, 27 anos, recebeu uma facada no pescoço e outra na costela esquerda caindo morto na Rua José Holanda Pereira, no bairro Bom Jesus, periferia da cidade. A polícia supõe que Diego teria sido executado pelo próprio comparsa. "Tudo leva a crer que ele (Diego) foi morto pelo próprio comparsa. Eles pedalavam juntos numa bicicleta quando o meliante da garupa desferiu as facadas mortais. Pelo menos foram essas as informações colhidas no local", contou o sargento Edmar.

Segundo a polícia, Diego e seu comparsa estariam pretendendo ou teriam cometido assaltos durante a madrugada quando houve um desentendimento que provocou a morte de um deles.

As informações sobre os dois assassinatos serão repassadas aos policiais civis da Divisão de Homicídios (DH) para uma investigação mais aprofundada. Os corpos foram velados na casa de parentes e seriam sepultados em dois cemitérios de Castanhal.

PRIMEIRO ATENTADO

Ainda durante o final de semana na cidade "Modelo", duas pessoas sofreram tentativa de homicídio. Um dos casos aconteceu na tarde de sábado, por volta das 15h, na invasão do Irã, área do bairro Jaderlândia. O soldado Paiva informou ao Diário que a vítima José Warley do Nascimento, 31 anos, pilotava sua motocicleta pela Rua Francisco Alves de Melo, quando dois homens, não identificados, se aproximaram em outra motocicleta efetuando vários disparos em direção a vítima. 

"Quando o José Warley recebeu o primeiro tiro no braço direito, ele jogou a moto na rua e saiu correndo. Depois pegou um moto-taxi e foi para o hospital. No hospital, ele disse que os atiradores queriam roubar sua moto, mas essa informação não nos convenceu, pois esse José seria traficante da área e os motoqueiros teriam ido acertar as contas com ele", contou Paiva.

SEGUNDO ATENTADO        

Outro baleamento ocorreu na noite de sábado, por volta das 20h, também no bairro Jaderlândia. Desta vez, a vítima foi José do Nascimento, 26 anos. O atentado aconteceu na Rua Francisco Pereira Lago. "Cerca de dois a três elementos passaram num carro de placa, modelo e cor não informada e efetuaram vários tiros. Um dos disparos atingiu o braço esquerdo do Nacional José do Nascimento. Fizemos incursões e montamos barreiras, mas infelizmente não logramos êxito na captura dos criminosos", repassou Edmar, 2º sargento da PM.

As vítimas que sobreviveram aos atentados contra a vida, primeiramente foram socorridas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24 horas) e em seguida transferidas ao hospital metropolitano, em Ananindeua, para receberem atendimentos adequados. 

Na manhã de hoje, o delegado Temmer Khayat, titular da Divisão de Homicídios, deverá ouvir testemunhas e, se possível, vítimas sobreviventes para tentar esclarecer os casos de assassinatos e tentativas de homicídios registrados na cidade de Castanhal durante o final de semana.

Texto Tiago Silva / fotos: Adailson Marciel 

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Trio é detido suspeito de roubo e tráfico de drogas

Policiais civis da Superintendência do Salgado detiveram na tarde de ontem, em Castanhal, nordeste do Estado, três pessoas que estariam envolvidas diretamente com o tráfico de drogas e assaltos. No interior de uma residência, a polícia encontrou dois revolveres municiados e produtos químicos que seriam utilizados para preparar a droga do tipo pasta base de cocaína.
        
Depois de receberem várias denuncias anônimas de que uma casa, localizada no conjunto Rouxinol, estaria sendo utilizada como ponto de distribuição de drogas, policiais da Zona do Salgado passaram a investigar o caso montando campana às proximidades do imóvel denunciado. Comprovando a veracidade da denuncia, os agentes realizaram uma batida, na tarde de ontem, por volta das 17h, encontrando no interior da residência produtos químicos usados por traficantes durante o preparo da pasta base de cocaína. No local também foram encontrados dois revolveres calibre 38 e munições do mesmo calibre. Três pessoas foram detidas e conduzidas à delegacia do centro de Castanhal para averiguação.
        
Segundo o investigador Sena, chefe de operações especiais, o material encontrado na casa, como barrilha leve e solução de bateria iria ser misturado com outros produtos químicos para gerar a pasta base de cocaína. Os sacos plásticos seriam para embalar as "petecas" e a balança de precisão serviria para pesar a droga quando estivesse pronta. Em relação as armas apreendidas, segundo o policial, teriam sido ou seriam usadas em assaltos ou até mesmo em homicídios. Um dos suspeitos é Lucivaldo Oliveira, o "Nego Lúcio", de 27 anos; conhecidíssimo da polícia por já ter cometido vários crimes, inclusive tráfico de entorpecentes. Ainda foram detidos Antônio Robson, 26, e o proprietário do imóvel João Bahia de Aguiar Filho ou "Bahia", de 34 anos. O trio negou envolvimento com qualquer tipo de crime.
        
O material apreendido foi encaminhado para perícia no Instituto Médico legal (IML). Enquanto fazia a autuação dos envolvidos, como de costume, o delegado Paulo Renato não quis falar com a imprensa e muito menos informou aos repórteres em que crime os suspeitos seriam enquadrados.

Texto e fotos: Tiago Silva

terça-feira, 15 de abril de 2014

Virou "cavalo do cão" e ainda tentou agredir policiais

Policiais militares prenderam o ajudante de pedreiro Daniel Macedo Batista, de 23 anos, acusado de agredir fisicamente e verbalmente a ex-companheira. A prisão ocorreu na noite de domingo (13) no bairro Centro do município de Terra Alta, nordeste do Estado, quando populares denunciaram o caso a polícia via 190.
        
Na noite de domingo, por volta das 21h, uma guarnição do destacamento de Terra Alta foi acionada para atender uma ocorrência de violência domestica na Rua Verissimo Borges. Populares ligaram para o 190 informando que um homem estaria dando uma surra em uma mulher que não conseguia se defender da força masculina. Chegando ao local, a guarnição comandada pelo sargento Mendes constatou a veracidade da denuncia.    
        
Completamente alterado e irado, o acusado desacatou os PMs proferindo palavras de baixo nível. Diante do fato, o acusado recebeu voz de prisão, porém resistiu e dificultou e muito a prisão e ainda tentou agredir o policiamento. Usando a força necessária para conter o ânimo do homem, os policiais o imobilizaram e o conduziram para a delegacia. O agressor foi identificado como Daniel Macedo Batista, mais conhecido pelo apelido de "Pica pau". O delegado Fábio Veloso de Castro autuou Daniel Macedo por ameaça, desacato a autoridade, resistência à prisão e lesão corporal contra a mulher com base na lei Maria da Penha. 
        
"O Daniel, conhecido como 'Pica Pau', é perigoso. Na adolescência ele cometeu um assassinato em Terra Alta, mas já pagou pelo crime. Ele saiu recentemente da cadeia onde respondia por assalto a mão armada e agora vai retornar para o presídio, desta vez por ter agredido a ex-companheira", informou o delegado.
        
O acusado, que está separado a um mês de Márcia Priscila Barata, foi transferido para o Centro de Recuperação de Castanhal (CRCAST) para ficar à disposição da justiça. O motivo das agressões não foi revelado pelo preso.

Texto e fotos: Tiago Silva

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Polícia "caça" bando que assaltou casa de prefeito

A polícia ainda está à procura dos bandidos que invadiram a casa do prefeito municipal de Terra Alta. Após renderem o gestor e seus familiares, cinco criminosos foram surpreendidos por uma guarnição da Polícia Militar havendo troca de tiros e a morte de um dos integrantes do bando. Quatro homens armados conseguiram fugir pela mata levando uma quantia em dinheiro e joias.

Por volta das 21h de sexta-feira (11), cinco bandidos invadiram a casa do prefeito Gilvandro Nascimento (PR), situada na localidade de Mocajubinha, zona rural do município de Terra Alta, nordeste do Estado. Os bandidos, armados com revólveres e uma escopeta calibre 12, foram extremamente agressivos. Mesmo amarrados, o prefeito e um vigilante foram espancados com várias coronhadas na cabeça e a todo o momento a família do executivo era ameaçada de morte. Gilvandro foi amarrado e colocado dentro do banheiro.
        
Um morador das proximidades notou algo estranho e resolveu acionar a Polícia Militar. Minutos depois a guarnição do sargento Eufrásio chegou ao local e foi recebida a bala por dois assaltantes que se encontravam fora da residência. Os policiais revidaram atirando contra os criminosos e um deles foi atingido na cabeça quando tentou fugir pulando a janela de um dos quartos com a arma na mão.  "Esse elemento, antes de morrer, efetuou vários disparos contra a nossa guarnição e tivemos que revidar", disse o sargento Eufrásio.
        
Com a presença da polícia, outros quatro bandidos foram obrigados a fugir conseguindo roubar aproximadamente R$ 12.00,00 (dose mil reais) e joias d
e alto valor. O grupamento Tático de Castanhal foi acionado e com o apoio de outras viaturas, ao comando do tenente Mariano, realizaram buscas pela mata, mas não conseguiram encontrar o restante da quadrilha.
        
Na delegacia de Terra Alta se encontravam de plantão apenas um escrivão e uma investigadora. Para dar início às investigações foi preciso o delegado Paulo Renato sair da cidade de Castanhal para ouvir as vítimas em Terra Alta.
        
O assaltante morto ainda não foi identificado pela polícia e nem pelo IML. Segundo o sargento Eufrásio, o vigilante agredido teve que ser encaminhado ao hospital metropolitano com golpes na cabeça provocados pelas coronhadas. O prefeito Gilvandro Nascimento passou por atendimento médico e já está com a família.
        
A Polícia Civil abriu inquérito para apurar o caso e tenta, através de investigações, identificar outros integrantes da quadrilha que conseguiram fugir pela mata. Quem tiver qualquer informação que possa ajudar a polícia a localizar os bandidos, poderá ligar para o Disque-denúncia (181). O denunciante não precisa revelar o nome.

Texto e fotos: Tiago Silva

Irmãos são detidos acusados de tráfico de drogas

Dois irmãos foram detidos na tarde de quinta-feira (10), em Castanhal, cidade do nordeste Paraense, acusados de traficarem entorpecentes. No total, 23 petecas de pasta base de cocaína foram encontradas na casa dos suspeitos. Um dos acusados é adolescente que confessou à polícia ser o dono de toda a droga.
        
Por volta das 15h, policiais civis da Zona do Salgado e do Núcleo de Apoio a Investigação (NAI) se deslocaram até o bairro Jaderlândia para apurar uma denúncia de tráfico de entorpecentes que estaria acontecendo na Invasão Oscar Reis. Na Rua Lilian Bastos, os investigadores localizaram a casa denunciada e, com a permissão dos ocupantes, realizaram uma revista, onde em um dos quartos foram encontradas 23 petecas de pasta base de cocaína, prontas para serem comercializadas. No local foram detidos Thiago Reis Damasceno, 22, e seu irmão menor de 17 anos.
        
Na delegacia o adolescente fez questão de confessar ao delegado plantonista que era o dono de todas as petecas encontradas na residência. Para a polícia, o menor infrator estaria assumindo a culpa para tentar inocentar o irmão. "O menor está tentando enganar a polícia dizendo que a droga é toda dele, mas acreditamos que o Thiago também estaria traficando entorpecentes, tanto é que ele já é um velho conhecido da polícia pela prática de assaltos. Checamos as denuncias e encontramos a droga no quarto do Thiago, que também é foragido da justiça", informou Luiz Xavier, delegado de Polícia Civil.
        
Thiago Reis Damasceno cumpria pena por assalto a mão armada em regime semiaberto na Colônia Agrícola Heleno Fragoso, de onde conseguiu fugir a cerca de dois meses. De acordo com Luiz Xavier, o maior foi autuado pelo crime de tráfico de drogas e seria encaminhado para o Centro de Recuperação de Castanhal (CRCAST) para ficar à disposição da justiça, desta vez em regime fechado. Contra o adolescente, o delegado pedirá junto ao Ministério Público a sua internação em um abrigo para menores infratores.

Texto e fotos: Tiago Silva

terça-feira, 8 de abril de 2014

Moisés tomba na sarjeta com quatro tiros no peito

A Polícia Civil está tentando identificar o assassino que ceifou com vários disparos de arma de fogo a vida de um homem de 32 anos, em Castanhal, cidade do nordeste Paraense. Segundo informações colhidas no local, a vítima teria sido surpreendida por um homem desconhecido que efetuou vários tiros atingindo o corpo de Moisés Felipe de Sousa. O crime aconteceu no início da manhã de ontem na periferia da cidade "Modelo".
        
Na manhã de ontem, por volta das 07hs, os moradores da Rua Francisco Alves de Melo, no bairro Jaderlândia, foram despertados com o barulho de vários tiros sendo disparados em via pública. Assustados, e não sabendo do que se tratava, alguns moradores preferiram ficar em casa de portas fechadas. Outros mais curiosos logo tiraram as trancas das portas e saíram de suas residências para verificar o que havia acontecido e logo se depararam com um cadáver caído na sarjeta. A equipe do DIÁRIO foi acionada para fazer a reportagem de mais um crime de homicídio registrado na cidade de Castanhal e na cena do crime obteve a informação de que Moisés Felipe de Sousa, 32 anos, trafegava tranquilamente a pé pela rua quando foi surpreendido por um homem desconhecido que teria chegado ao local efetuando vários tiros em sua direção. Moisés morreu na hora ao ser atingido por pelo menos quatro balaços no peito.
        
Poucos minutos após a execução, a esposa da vítima compareceu ao local e permaneceu ao lado do cadáver até a chegada de peritos que realizaram a remoção do corpo para exames de necropsia no Instituto Médico Legal (IML). Chorando bastante, a mulher dizia não acreditar no que havia acontecido e desesperada chamava pelo nome do marido pedindo que ele se levantasse. "Levanta, Moisés, levanta. Não me deixe só. Porque fizeram isso com meu marido? Porque, meu Deus, por quê? Ele era um homem bom, trabalhador e não merecia isso. Moisés levanta meu amor!", pedia a viúva inconsolada. Nenhuma guarnição da Polícia Militar compareceu ao local pelo fato de a maioria da tropa castanhalense ter paralisado as rondas ostensivas em protesto contra a decisão do governo do Estado em reajustar somente o salário dos oficiais. Nenhum tenente ou coronel da PM foi visto no local do crime colhendo informações ou realizando buscas a fim de localizar e deter suspeitos. 
        
A Divisão de Homicídios já deu inicio nas investigações para desvendar a causa da morte de Moisés Felipe de Sousa, que seria um homem trabalhador e saiu de sua residência para curtir uma festa e não retornou mais com vida.

Texto e foto: Tiago Silva