terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

HOMEM É MORTO A TIROS NO BAIRRO SALGADINHO

Regian Ferreira Lopes, de 26 anos de idade, morador do bairro da Propira, foi perseguido e executado com quatro tiros no começo da manhã desta terça-feira (9), no município de Castanhal, no nordeste paraense. O rapaz, que não possuía passagens pela justiça, foi morto ao lado da escola estadual Laureno Alves de Melo, no bairro Salgadinho.

Segundo os cabos Santana e Augusto, da Polícia Militar, o crime ocorreu por volta das 5h de hoje. A vítima, sem capacete, pilotava a motocicleta (Fan cor preta, sem placa) de um amigo pela rua Anastácio Melo quando foi abordada por dois suspeitos, que estavam em uma motocicleta modelo CB 300 cilindradas, cor vermelha. Ele então iniciou uma fuga, sendo perseguindo pela dupla.

Ao chegar próximo à escola, o pneu dianteiro da moto da vítima furou, fazendo com que o condutor caísse no chão. Neste momento, os dois perseguidores dispararam duas vezes, nas costas da vítima. Mesmo baleado, Regian Ferreira Lopes ainda correu por mais alguns metros, mas foi alvejado novamente com dois tiros, dessa vez na cabeça. Um inquérito foi instaurado para investigar o homicídio, mas os suspeitos ainda não foram identificados.  O corpo da vítima foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML).

Este é o 3° homicídio registrado em Castanhal apenas no mês de fevereiro. Em janeiro, o município teve 8 assassinatos.

Reportagem: Tiago Silva

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

HOMEM É VÍTIMA DE TENTATIVA DE HOMICÍDIO NA FEIRA DA CEASA

Hoje, por volta das 6h30min, aconteceu uma tentativa de homicídio na feira da Ceasa, em pleno centro comercial da cidade de Castanhal, nordeste paraense. A vítima, José Souza de Lima Junior, de 27 anos de idade, levou um tiro de revólver na perna esquerda. "Um desconhecido chegou logo atirando e depois fugiu do local a pé", disse o sargento Ed Lito, da Polícia Militar.

José Souza de Lima Junior foi socorrido por uma equipe do Corpo de Bombeiros e depois transportado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 Horas de Castanhal. Ele não corre risco de perder a vida. Guarnições da Polícia Militar fizeram incursões na tentativa de prender o atirador, mas até o fechamento dessa edição nenhum suspeito havia sido detido. O caso será investigado pela Polícia Civil.

Reportagem: Tiago Silva

ACIDENTE ENVOLVENDO VAN E CAMINHÃO DEIXA UMA PESSOA MORTA

Um grave acidente automobilístico aconteceu hoje, por volta das 7h, em Castanhal, cidade do nordeste paraense. “Segundo testemunhas, o motorista de uma van seguia pela rodovia BR-316, no sentido Belém quando, na altura do km 58, teria feito uma ultrapassagem e batido na traseira de um caminhão”, informou o delegado Paulo Benício, da Polícia Civil.

O acidente aconteceu bem próximo ao posto de fiscalização da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Testemunhas, que preferiram não se identificar, disseram que o veículo de transporte alternativo estaria a mais de 100 km por hora. Com a batida, os dois veículos ficaram parcialmente destruídos. O passageiro da van Jorge Luiz de Oliveira, de 48 anos de idade, morreu no local. Ele estava sentado na poltrona ao lado do motorista no momento da batida. Os demais passageiros não sofreram ferimentos graves. O corpo de Jorge Luiz de Oliveira foi removido para o Instituto Médico Legal (IML), para depois ser liberado aos familiares. No local do acidente, o trânsito ficou congestionado por alguns minutos.

Danielson Pereira da Silva (condutor da van) foi socorrido e levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 de Castanhal. Manoel Ramos Aguiar (condutor do caminhão) se apresentou espontaneamente na Delegacia de Polícia Civil do centro da cidade. “Vamos ouvir os dois motoristas e apurar os fatos, para sabermos o que realmente causou o acidente”, disse o delegado Paulo Benício.

A van, que não possui a numeração de registro da Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos (Arcon), era usada irregularmente em transportes de pessoas, nesse período de Carnaval.

Reportagem: Tiago Silva

PAROU PARA ACENDER CIGARRO E FOI EXECUTADO COM 2 TIROS

Silas Ferreira de Sales, de 41 anos de idade, foi morto com 2 tiros nas costas, efetuados por um desconhecido que, após o crime, fugiu em uma motocicleta na companhia de um comparsa. O homicídio aconteceu na madrugada de ontem, na rua principal do bairro Fonte Boa, periferia da cidade de Castanhal, nordeste paraense.

O boletim de ocorrência foi registrado na delegacia do centro da cidade, pela irmã da vítima, Brasilina de Sales Campos. Ela disse ao delegado Vitor França Fontes, da Polícia Civil, que soube que seu irmão, Silas Ferreira de Sales mais dois amigos dele trafegavam de bicicleta pela rua principal do bairro Fonte Boa quando, por volta de 1h de sábado, pararam para acender um cigarro. Nesse momento teriam se aproximado dois desconhecidos em uma motocicleta e um deles efetuado vários disparos de arma de fogo, sendo que 2 tiros atingiram as costas de Silas, que morreu no local. O atirador fugiu com o comparsa sem levar nada da vítima. Os dois amigos de Silas saíram do local sem conseguir identificar os assassinos.

A Polícia Militar foi acionada e fez uma varredura na área do bairro Fonte Boa e em outros bairros vizinhos, mas nenhum suspeito foi encontrado. O corpo foi removido por peritos para o Instituto Médico Legal (IML), onde passou por exame de necropsia e depois foi liberado aos familiares para velório e sepultamento. O assassinato aconteceu no plantão do delegado Vitor França Fontes. O policial civil informou que já abriu inquérito, para que o caso seja apurado. Os autores do crime ainda permanecem foragidos.

Brasilina de Sales Campos disse que seu irmão assassinado era uma pessoa de bem e que trabalhava como mecânico na oficina de veículos de seu outro irmão, localizada no bairro Nova Olinda, em Castanhal. Silas Ferreira de Sales era solteiro e morava com a mãe dele no bairro Fonte Boa.


Reportagem: Tiago Silva

PRESO ACUSADO DE MATAR MOTOTAXISTA EM SALINÓPOLIS

Acusado
Foi cumprido, na semana passada, por policiais militares de Salinópolis, nordeste do Estado, o mandado de prisão preventiva expedido pela juíza de direito Maria Augusta Freitas da Cunha contra Warlesson Renan Oliveira Santa Brígida, de 20 anos, acusado de ter assassinado a tiros o mototaxista Ranielson Monteiro dos Santos, de 25 anos de idade.

O crime aconteceu no dia 17 de outubro do ano passado, dentro de um bar localizado na rua Miriçá, bairro do Maçarico. Era final de tarde de um sábado. O mototaxista Ranielson Monteiro dos Santos jogava bilhar com um amigo no momento em que foi alvejado por disparos de arma de fogo efetuados por um desconhecido. O atirador fugiu do local em uma motocicleta. A vítima morreu a caminho do hospital público de Salinópolis. Na época, o boletim de ocorrência foi registrado pelo pai da vítima, Raimundo Correia dos Santos.

No decorrer das investigações, os delegados Manoel Fausto Bulcão e Vicente Leite Barbosa, da Polícia Civil, concluíram que o crime teria sido praticado por Warlesson Renan Oliveira Santa Brígida e que o mandante teria sido o tio dele, conhecido pelo apelido de “Berimbau”, que está foragido. As investigações apontam que a motivação do crime teria sido por que a vítima estaria tendo um relacionamento amoroso com a mulher do tio de Warlesson.

PRISÃO PREVENTIVA

Após a conclusão do inquérito policial, os delegados Manoel Fausto Bulcão e Vicente Leite Barbosa solicitaram, junto à comarca de Salinópolis, a prisão preventiva do suspeito. O mandado de prisão preventiva foi cumprido, pelos soldados Helton, Lucas e Pereira, do Grupamento Tático Operacional (GTO) da Polícia Militar de Salinópolis. O soldado Helton contou que “o acusado tentou fugir do cerco policial, mas que facilmente foi capturado”. A prisão, que aconteceu na rua São Tomé, bairro Centro de Salinópolis, contou com o apoio da investigadora Thaiana Santos, da Polícia Civil.

DIREITO

Warlesson Renan Oliveira Santa Brígida disse que só falaria em juízo. Ele foi transferido para o Centro de Recuperação de Salinópolis (CRSAL), para ficar à disposição do poder judiciário. O tio dele ainda permanece foragido.

Reportagem: Tiago Silva

JOVEM É EXECUTADO A TIROS NA FRENTE DOS PAIS E DA FILHA

Antônio Célio dos Santos, de 23 anos de idade, foi morto com pelo menos 6 tiros à queima-roupa, a maioria na cabeça. Antônio Célio foi executado na frente de seus pais e de sua filha, que tem apenas cinco anos. O crime aconteceu na madrugada de sábado, dentro da casa dos pais da vítima, localizada no bairro Padre Ângelo, mais precisamente no fim da rua Frei Miguel, município de São Miguel do Guamá, região nordeste do Estado.

Vítima
Às 5h do último sábado, Antônio Célio dos Santos saiu de casa para trabalhar em uma empresa de Cerâmica de São Miguel do Guamá. No meio da viagem, ele foi surpreendido por dois homens que estavam em uma motocicleta. O garupa efetuou vários disparos de arma de fogo contra Antônio, que não foi atingido. Ele conseguiu correr e entrar na casa de seus pais, mas foi perseguido. Os motoqueiros invadiram a residência e executaram o rapaz com pelo menos 6 tiros à queima-roupa, na frente dos pais e da filha. Em seguida, os assassinos fugiram do local na motocicleta. A placa, a cor e o modelo não foram anotados pelas testemunhas.

A ex-esposa da vítima, que preferiu não se identificar, contou na Delegacia de Polícia Civil de São Miguel do Guamá, onde estava de plantão o delegado Ronaldo Lopes, que seu ex-esposo vinha sofrendo constantemente ameaças de morte por duas pessoas identificadas apenas como Lucas e Laerte. “Eles já tinham matado um amigo do meu ex-esposo, conhecido como ‘Léo Gêmeos’, e disseram que iam matar todos que fizessem parte da turma da ‘Lacoste’ de São Miguel”, disse.

Ela relatou ainda que Lucas e Laerte moram em outra cidade e que só aparecem em São Miguel para assassinar seus inimigos. O caso está sendo investigado pelo delegado Ronaldo Lopes, da Polícia Civil de São Miguel do Guamá.

Reportagem: Tiago Silva

sábado, 6 de fevereiro de 2016

POLICIAL MILITAR É MORTO A TIROS BEM AO LADO DE QUARTEL

O cabo da Polícia Militar Vagno Jackson Mendonça, de 43 anos de idade, foi morto com 2 tiros, na nuca e olho esquerdo. A Polícia Civil trabalha com a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte), já que a vítima teve sua pistola calibre Ponto 40 roubada pelos assassinos. O crime aconteceu na tarde de ontem, por volta das 16h30min, na rodovia BR-316, perímetro urbano da cidade de Castanhal, nordeste paraense. Ainda na noite de ontem, 2 homens que estariam envolvidos no crime foram presos.

Segundo informações fornecidas ao DIÁRIO no local do crime, por testemunhas que não quiseram se identificar, o cabo Jackson saiu fardado do quartel do 5º Batalhão de Polícia Militar (5º BPM), onde trabalhava na guarda, dizendo aos amigos de farda que iria comprar pão em uma panificadora localizada no bairro Titalândia. Jackson pediu emprestada a motocicleta do armeiro (policial responsável em guardar as armas) e seguiu rumo à panificadora. Mas, em frente de uma pousada, situada às margens da rodovia BR-316, bem ao lado do quartel do 5º BPM, o cabo Jackson foi batido por trás, por um carro modelo corola de cor preta. Ele caiu ao chão junto com a motocicleta e foi executado com 2 disparos de arma de fogo, na nuca e no olho esquerdo. O policial ainda teria levantado as mãos e pedido para não ser morto.

Após roubar a pistola Ponto 40 do policial militar, o atirador e seu comparsa entraram no carro e fugiram tomando rumo ignorado. Homens do Corpo de Bombeiros e do Samu foram acionados, mas o PM já estava sem vida. Peritos removeram o corpo para o Instituto Médico Legal (IML), onde ficou de passar por exame de necropsia e depois ser liberado aos familiares para velório e sepultamento. No local do crime, o clima era de muita tensão, revolta e tristeza.

Várias viaturas da Polícia Militar realizaram incursões na tentativa de localizar os criminosos. Poucos minutos depois o carro usado na fuga foi encontrado abandonado na altura do km 45, da rodovia PA-136, entre Castanhal e o município de Curuçá. Os criminosos abandonaram o carro e depois roubaram uma caminhonete S-10, cor branca, Eles fugiram para Curuçá, onde foram encurralados por guarnições da PM, comandadas pelos sargentos Santos (comandante do destacamento de Curuçá) e Eufrazio (comandante do destacamento de Marapanim). Os suspeitos fizeram uma família refém e, após negociação, se entregaram. Eles portavam duas armas de fogo, uma delas roubada do cabo Jackson. Os presos se identificaram como Felipe Azevedo Oliveira Alves, 33, e Rangel Gomes Seabra, de 19 anos de idade. Eles foram conduzidos à delegacia do Centro de Castanhal,
Acusados
onde foram ouvidos e autuados pela delegada Ariane Magno Gomes, da Polícia Civil.

O corpo de Vagno Jackson Mendonça está sendo velado na casa de familiares, na rua Dom Pedro II, no bairro Caiçara, em Castanhal, e será sepultado às 16h de hoje no cemitério São José, na mesma cidade.

Reportagem: Tiago Silva